Blue Eyes

Blue Eyes

terça-feira, 31 de março de 2015

Concretização de mil desejos

Uma menina que se fez mulher…
Um aroma…
Uma louca perdida no prazer... 
Um rosto de coragem...
Um sentimento que domina!
Um tesão que endoidece...
Um corpo que queima…
Um sorriso aberto...
Uma noite…
Uma montanha de prazeres…

E assim fiquei

Sensações escaldantes desenhadas em actos de loucura, de desejo e prazer...

O desejo aumenta

Os toques...
Lascivos...
Libidinosos.
Inspira a excitação da carne...
A necessidade de múltiplas carícias.
O teu corpo exige.
O prazer...
Um desejo que não se verga.
Um orgasmo grotesco que cresce e desce pela minha carne abaixo.
Uma luxúria sem limites.

Um prazer invasor.

Provocadora...
Vou observar-te, devagar.
De alto a baixo.
Vou apertar-te as ancas e perder o domínio por completo.
Por fim, vou entranhar na tua boca, e vais fazer um broche suculento e arrebatador.
Encontrarás o caminho direto para o céu.
Ou para o Inferno.
Vais poder chupar todo esse desejo.-.
Vou penetrar todas as tuas cavidades, até à nossa total exaustão.

O corpo que suplica

Entregue ao prazer!
Carregas um desejo na serenidade do teu poder.
Desafias... 
Arejo a tua carne num pedaço de ar novo que entra sem denúncia.
Olho-o.
Encaro-o de frente na sombra de uma luz.
Fixo-o. 
Entregas-te sem deriva ou destino que te faça recuar.
Obedeces na imensidão de um prazer inteiro que desejas sentir.

Sem ilusões.

Debaixo da maquilhagem e por trás do teu sorriso, tu és apenas uma menina que deseja prazer.
O sabor da tua carne.
Os gemidos, reflectidos num prazer pulsátil .

Gestos

Quero sentir a surpresa do teu sexo dentro de ti...
Molhada, ardente, louca de desejo!
Fecha os olhos e deixa entrar em ti, no mais profundo do teu desejo...
Abusar do teu corpo...
Em gestos, palavras e olhares provocantes!
Perdidos por entre sensações escaldantes que consomem os corpos que anseiam por horas de prazer!

Provocas-me

Talvez foder!
Andas a provocar-me.
E eu deixo-te andar...
Brinca brinca...
Um dia destes papo-te.
E volto a papar-te as vezes que EU quiser!
E depois vamos ver QUEM brinca minha amiga..

Toques atrevidos

O meu membro teso.
Descontrolado...
O meu caralho quer enterrar-se todo dentro de ti.
Duro e molhado a entrar e sair da tua vagina encharcada em estocadas vigorosas que te faziam gemer sem limites.
Todo o peso do meu corpo enterrava-se no teu vulcão em erupção que tanto prazer me proporciona.
Fornicava-te cada vez mais depressa...
Apertava os bicos das mamas...
Sinto-te tão húmida, sinto-te excitada, sinto-te pronta para explodir.
Assim e em perfeita sinfonia com os teus gemidos, continuo o meu vaivém desmesurado e num ápice desfaleces num mar de fluídos excessivos e intensos, que comprovam o teu prazer.
O teu ar de satisfação ao ver-te saciada.
Tomas conta dele...
Partes agora em busca do meu orgasmo...
Já com a boca perto do meu caralho firme, faço-te entender as minhas pretensões.
Enfias o caralho pela boca adentro.
Inteiro...
Louca de prazer de o sentires todo de uma só vez, até engasgares.
Chupas, enquanto um fio de saliva sai pela tua boca. 
Sobes e desces sobre o meu pau duro.
Sinto o meu corpo estremecer. Sinto o meu prazer ostentado num orgasmo que te rega a boca com um líquido abundante e agridoce...

Momentos prazerosos!

Mergulho de cabeça.
Deixo que o fogo queime o meu sangue. O nosso sangue.
Que o suor me lamba a carne. 
Profana luxúria. 
Sem arrependimentos.
Este pecado.
O prazer de carnes amassadas por desejos. 
Perco-me, irresistivelmente pelo prazer. 
Vigorosamente ereto.
Nas sombras...
As carnes saciadas.
Corpos explorados, contemplados por gestos principais...

Vontades

Sensível...
Implorava para ser tocada, explorada.
Sentia-me rijo, incrivelmente rijo.
Esfregava-o no corpo dela.
Acariciaste-o com total vontade.
A minha mão apertava-te firmemente um seio.
Totalmente preso aos meus cinco dedos que o tomavam com autoridade.
Múltiplas carícias manifestavam-se.
A cada beijo trocado na pouca luz...
Os gemidos...
Muito boa era a sensação de prazer...
A brincadeira no meio de terceiros...
Agora mais molhada que nunca...

Gostos

Gostos não se discutem...
Ela sabe o que quer, do que sente.
Decidida...
Para um total abismo de tentações.
Suada de tanta carne rija.
Delicados, guerreiros...
Que lhe encham a boca por completo!

Perdidos

Verga-se...
Os corpos perdidos...
Cheios de vontades.
As pernas abrem-se...
Os sexos encontram-se.
Impõe-se...
Vive-se...
Fode-se!

Vontade

A vontade impunha-se...
Com carícias, toques e beijos luxuriosos.
Perdida, e tentada a consumir o meu pau que lhe ofuscava a visão.
Entreabriu a boca, molhou os lábios com a língua cheia de saliva
Acolheu a ponta do meu pau latejante.
Ao fazê-lo fez-me suspirar.
Uma penetração suave...
Os gemidos!
As investidas....
Enterrei-o vezes sem conta com movimentos naquela boca deliciosa.
Em empurrões sucessivos e altamente excitantes.
O desejo guiou-nos...
A uma grande agitação e prazer...

Pronto

Apetece-me FODER! Ponto. 
Sempre encontrei no sexo uma grande virtude consoladora...

Viver

De Ferias...
Vou partir...
Vou fugir...
Vou saborear...
Vou Foder...
Vou Pinar...
Vou Escarafunchar...
Viver intensamente estes dias.
Curtir as noites de diversão
Vou andar por cá, por aí, por ali, por parte incerta...

Recebeste-me

Aproximei-me de ti, peguei nas tuas mãos e elevei-as bem alto, uma de cada lado da porta que tinhas acabado de fechar.
Todo o teu corpo dizia que sim.
As tuas pernas encostadas em mim.
Beijei suavemente, perfumada...
A minha língua passeava no teu pescoço, de um lado para o outro, enquanto sentia a tua boca entreabrir-se e os teus olhos que se fechavam ao teu sentir.
Deixei-te as mãos lá em cima.
Virei a tua boca para mim e as nossas línguas cruzaram-se numa volúpia maravilhosa, a minha língua saiu da tua boca e continuou, molhando a tua face cheia de prazer.
As minhas mãos deslizaram até às tuas ancas.
Abriste um pouco as tuas pernas...
As minhas mãos não pararam, desceram, nas tuas pernas ligeiramente abertas, ali, junto do exterior dos teus joelhos.
Subi-as e com elas, as minhas mãos, ia trazendo o teu vestido, devagarinho.
Ajoelhei-me atrás de ti e continuei a subir o teu vestido com as minhas mãos mas elevando-as para o interior do teu corpo até encontrar a curva belíssima das tuas nádegas.
Os meus olhos iam descobrindo, tão lentamente como podiam, o formato das tuas pernas até que o teu vestido já estava na tua cintura.
O teu rabo, lindo, tinha as curvas perfeitas para poderem receber os meus lábios e a minha língua.
Sentias a minha boca aberta, respirando-te enquanto as minhas mãos, ainda segurando o vestido, deslizavam para o teu ventre, uma de cada lado, tão simétricas que pareciam ter vida própria.
Abrias cada vez mais as tuas pernas, tal o prazer que sentias.
Os meus dedos, dois ou três de cada lado chegavam, calmamente, ao teu sexo, molhado, ofegante, quase perdido do mundo.
As tuas pernas abriram-se mais e a minha língua, afoita atrás de ti, procurava agora cumprimentar os meus dedos que já te tocavam á muito.
Demorei o tempo que tu podias suportar para promover o encontro da minha boca com os meus dedos, bem na entrada do teu sexo, ofegante e molhado. Deixei que o vestido caísse e fiquei dentro dele, beijando o teu sexo, o teu rabo, as tuas nádegas quentes.
As minhas mãos, agora perdidas nas tuas nádegas, abriam as tuas pernas ainda mais e podia, agora sim, beijar onde os meus dedos estiveram.
E beijei, molhei os meus lábios de ti, uma e outra vez até que, por vezes, tu já nem sequer sabias onde estava a minha boca, a minha língua, os meus dedos. Gemias, louca, perdida num prazer.
De língua feliz mas exausta, obriguei as minhas mãos a abrirem o teu vestido e a subirem rapidamente até aos teus seios, duros, mamilos rijos, quentes, muito quentes.
Com as minhas mãos, também o meu corpo subiu e pudeste sentir, nas tuas nádegas ainda molhadas da minha língua, o meu sexo, excitado, duro, penetrante, revelador do prazer que me estavas a dar.
As tuas mãos atrevidas, ganharam vida e foram de encontro ao meu sexo, rapidamente senti os teus dedos a libertar o meu prazer das calças.
Deliciado, deixei-te descobrir enquanto suavemente te ia apertando os seios, um e outro, um contra o outro, uma e outra vez, enquanto sussurrava ao teu ouvido palavras soltas, cheias de excitação e prazer.
As minhas calças caíram e os meus boxers já estavam molhados do que tinha sentido até aí.
O meu sexo era agora rodeado por uma das tuas mãos, que o violentava. Excitada, puxavas-me para ti para que o sentisses no teu rabinho lindo e movimentavas-te para que ele te tocasse suavemente a pele para cima e para baixo, entre as tuas nádegas.
As tuas mãos rapidamente entraram nos meus boxers e abraçaram o meu sexo, de uma forma violenta.
Sentiste, na ponta dos teus dedos, o quanto molhado estava.
Sentiste neles o meu líquido de prazer e senti que escorria cada vez mais para ti, por ti, por causa de nós.
Cadenciadamente, tocavas-me, devagar, sentindo cada segundo de mim, cada centímetro de mim.
Compassadamente encostavas-me a ti.
As minhas mãos, essas, continuavam perdidas nos teus seios, os meus lábios perdidos na tua nuca.
O instinto que nos guiava deixou o meu sexo bem junto do teu.
Deliravas de prazer quando colocavas a tua mão defronte do teu sexo e te movimentavas, para a frente e para trás, até que o meu sexo tocava os dedos da tua mão, à porta de ti.
Sabia que estava prestes a entrar dentro de ti mas eu não o queria fazer assim. Queria ver-te, quando entrasse dentro de ti.
Afastei-me...
Virei o teu corpo para mim, encostei as tuas costas na porta.
Já nada escondia de ti.
Tirei as minhas calças e os meus boxers e delicadamente encostei o meu sexo no teu ventre para que o sentisses molhado.
As minhas mãos desceram ao teu sexo e os meus dedos, ainda mais delicadamente, abriram os teus lábios molhados para que pudessem eles também sentir o prazer que há muito escorria de ti.
Deixei que os meus dedos escorregassem para dentro de ti e a tua mão, caprichosa, envolvia o meu sexo, tocando-me ora devagar ora mais depressa.
Fomos um movimento único.
A tua mão no meu sexo, os meus dedos no teu.
Aí, dentro de ti, sentia que os meus dedos se perdiam nesse vulcão de lava transparente, que se contorcia a todo o momento, prestes a explodir.
Ficámos uns vinte minutos nesta placidez quase intemporal, sentindo o sexo um do outro.
Atrevida, trazias o meu sexo até ao teu e por ali ficavas, em longos mas secretos toques.
Ambos sentíamos que necessitávamos de nos preencher mas tu ainda querias mais sentir, sentir mais prazer.
O meu sexo, estava quente.
Senti uma chama quase infernal quando os teus lábios o beijaram.
A tua língua, essa sim, foi sentida quase que como se fosse uma extensão dos teus dedos, a percorrer o meu sexo, uma e outra vez, em baixo, em cima, nele mesmo.
O meu sexo entrava vagarosamente na tua boca, procurava o refúgio dentro de ti e enquanto lá estava, a tua língua não parava, nunca, como se tal fosse necessário para poderes sobreviver.
Tão bom sentir o quente da tua boca...
Sentias cada vez mais fundo, a preencher a tua boca.
Não sei quanto tempo ali estiveste.
Perdi-me nos minutos incontáveis...
Precisava de estar dentro de ti...
Precisava que o meu sexo e o teu parassem de se procurar, que se fundissem.
Levantei-te...
Queria-te sentir.
Ajoelhei-me, abri as tuas pernas, abri o teu sexo e a minha língua trouxe o que gotejava de ti .... o teu sabor deliciosos... Adoro o teu néctar.
Peguei na tua mão e coloquei-a no meu sexo e pedi-te, que o levasses para dentro de ti.
Ao ouvires estas palavras, senti-te arrepiar, senti que quase que explodias...
O meu sexo tocava agora no teu.
Entrei sem respirar, a tua mão ia ficando para trás enquanto eu desaparecia dentro de ti, que me recebia molhado, apaixonado.
Ouvia-te dizer que me amavas, que me querias, que me querias em ti, dentro de ti.
Perdia-me dentro de ti...
Estás quente como eu, molhada como eu, apertas-me dentro de ti.
Passei a minha língua nos teus lábios, um e depois no outro.
Entrava e saía de dentro de ti, num ritmo alucinante.
A tua perna esquerda empurrava o meu corpo para dentro de ti e a cada vez que em ti entrava, parecia que ia mais longe, mais fundo, mais perto da tua essência.
Senti que estavas perto do orgasmo.
Olhaste nos meus olhos e disseste: 
- Vem-te comigo.
Pedi-te apenas que gritasses.
Explodimos os dois.
O meu prazer e o teu juntos, ofegantes, misturando-se nas paredes escaldantes do interior do teu sexo.
O meu orgasmo nunca mais terminava e a cada espasmo de prazer, sentias-me de novo, como se fosse a primeira vez.
Momento próprio de dois amantes que se amam...
O teu orgasmo e o meu orgasmo como se de um único orgasmo se tratasse.

Explodir por ti!!

No silêncio do desejo...
Existem vontades...
Insanos desejos percorrem-me ao acordar!!
Aos meus desejos mais prementes...
Prende-me ao pensar nas correntes do teu corpo.
Sou o teu servo!
Envolvo-me na luxúria!
Um corrupio de luxúria que desperta-me os sentidos!
Numa vontade que me consome...
Uma vontade impossível de controlar.

Encharca-me

Não resistimos...
Beijámo-nos de forma gulosa, num beijo tão quente que fiquei húmido e teso só de sentir a boca da Miss Blue Eyes.
Conforme nos beijamos, meto as mãos por baixo do vestido e agarro-a pelas nádegas, naquele rabo tão apetitoso, e apertei-a contra mim apalpando-a e sentido aquele corpo com a vontade de ser comido.
Ela apalpou-me, enquanto a beijo pelo pescoço abaixo até chegar ás mamas dela e meto a língua, os meus lábios, devagar no meio delas...
Estou excitado, a ficar duro de tesão por ela.
Apetece-me apalpar-lhe o corpo, passar as minhas mãos bem devagar por todo aquele corpo, que me deixa louco de vontade de a despir.
Ela roça-se toda, beijando-me o pescoço…
As minhas mãos apalpam-lhe o rabo por dentro do vestido, sentindo as as cuecas… as mamas…. as mãos metem-se por dentro da roupa…
Prolongamos o prazer…
O meu caralho teso contra a cona dela, conforme nos movimentamos.
As mamas dela deixam-me louco de vontade de as apalpar, beijar, lamber, mordiscar…
A minha boca, as minhas mãos já brincam nas mamas da Miss Blue Eyes e começo a desapertar-te o soutien. Quero vê-las livres, na minha mão, rijas tesas e duras na minha boca…
Já despidas, passo-lhes a língua e a boca, devagar….
Os mamilos da Miss Blue Eyes já estão rijos.
Estou teso, muitooooo teso!!!
Enquanto brinco com as mamas, ela desaperta-me as calças.
Mete-me a mão por dentro das calças, primeiro por cima dos boxers e agarra-me no caralho teso e duro!
Brinca um pouco por cima dos boxers até que o agarra por baixo dos boxers, sentindo a pele dura do meu caralho na mão.
Digo-lhe;
- Queres senti-lo a invadir-te? A meter-se dentro de ti?
Miss Blue Eyes responde:
- Quero! Quero senti-lo todo enfiado dentro de mim…
Tiro-lhe o vestido.
Beijo-lhe a barriga, as ancas, as nádegas, bem à volta das cuecas…
Ela sente a minha língua, os meus lábios, na sua pele.
Bem devagar… subo ás mamas e desço novamente…
A minha língua e a minha boca descem da barriga para a cona já húmida, ainda por cima com as cuecas…
Arranco-lhe as cuecas, e dou uma lambidela e de seguida de uma chupadela naquela cona húmida e nua.
Beijo o clitoris, a cona, com a lingua e labios, chupando lambendo e beijando… Meto primeiro um dedo… devagar… depois um segundo dedo… e brinco com o interior da cona.
Deito-a para trás.
Toda nua, corpo lindo e gostoso à minha frente.
Dispo as calças e os boxers e ela vê como estou teso e duro…
Volto a brincar com a cona, metendo-lhe os dedos, devagar, rodando a entrar na sua humidade.
Mexendo por dentro… a tocar no seu interior …. enquanto a minha boca beija e lambe e chupa…
Meto mais um pouco a língua dentro dela, acompanhando os meus dedos que se movimento no seu interior….
Miss Blue Eyes geme de prazer…
Agarra-me na cabeça, e esfrega a sua cona na minha face.
Que tesão.
De repente diz-me:
- Vou-me vir…
E eu continuo a lamber até a sentir o néctar dela na minha boca, a cona a babar-se na minha boca, o seu liquido a escorrer….
Só paro quando ela para de tremer e gemer.
A seguir, ela deita-me para trás e vem para cima de mim, com vontade de enfiar o meu caralho dentro dela.
Enfia-se toda…
Está toda aberta de lhe ter lambido a cona toda…
Enfia-se até ao fundo, até assentar as ancas nas minhas…
Não fica nada de fora….
Começa a montar-me, a movimentar-se, com o meu caralho duro metido dentro dela, subindo e descendo, mexendo para os lados…
Com as minhas mãos no rabo dela a ajudar no movimentos.
Apalpo as mamas enquanto ela me monta…
Levanto-me para chegar com a boca aos mamilos tesos, lambo-os, chupo-os, mordisco-os.
Beijo aquelas mamas todas antes de voltar novamente aos mamilos para a provocar…
De tanto se movimentar com o meu caralho na cona, sinto-a a ferver.
Está quente, muito quente por dentro!
Só me apetece vir…
Aguento-me.
Digo-lhe ao ouvido:
- Estás a senti-lo duro? Todo enfiado em ti? Gostas? Come-o! Fode-me todo...
A respiração da Miss Blue Eyes está ofegante…
Geme.
Olha para mim cheia de tesão e fecha os olhos mexendo-se ainda mais.
Digo-lhe:
- Assim vais me fazer vir todo.
Fica ainda mais louca e responde:
- Vem-te dentro de mim... vem-te... que vou-me vir...
Miss Blue Eyes começa a tremer... a gemer... a contorcer-se de prazer.
Adoro ver-la a ter prazer, a vir-se para mim…
Ver o prazer na cara e no corpo dela.
Já não aguento mais e respondo-lhe:
- Encharca-me o meu caralho...
- Esporra-te para ele…
Vou-me vir todo dentro de ti.
Vimo-nos os dois…sem parar os movimentos, até os tremores e os gemidos de ambos pararem completamente….
Fcamos abraçados, corpos encostados um no outro…
Que bela queca!!!

domingo, 29 de março de 2015

Que grelo apetitoso

De saia e blusa, sorrias.
 
Disfarçadamente ia medindo cada centímetro teu à media que ia ao teu encontro, sorrindo também.
Perfeito... A saia assenta-te tão bem.
Olhaste para trás e vi pelo teu olhar...
Disfarcei...
A saia ia deslizando e vi as ligas e parte das tuas cuequinhas.
Não conseguia parar de olhar.
As tuas cuecas pretas, de renda.
O meu pau saltava por ti com a tua mão tão perto dele...
Não resisti.
Peguei na tua mão e coloquei-a em cima do meu pau.
Ao que de imediato fizeste o que eu tanto desejava:
Apertar o meu pau.
O meu tesão aumentou...
Levei a minha mão a deslizar a tua coxa pelo interior até que chego à tua cuequinha.
Apeteceu-me logo apertar-te a coninha mas não.
Gentilmente coloco um dedo dentro da cuequinha e procuro o teu grelinho... Estavas toda molhada!
Aiii... a tua coninha.
Sim! Que rica cona...
Apetecia-me abocanhar-te.
Mas não...
Com o dedo brinco com o teu grelinho até ficar bem molhado...
Tiro-o o meu dedo e chupo-o... perante um gemido teu.
O meu pau já estava de fora...
Estava babado!
Ofegante de tesão...
Arregaço o meu pau todo para ti...
Escorria de tesão por ti.
Agarras no pau e mamas feita uma louca... Deixavas bem molhadinho... e Gemias ao mamar a cabecinha.
Coloco-te de quatro e tu gemeste.
Já sabias, ia te foder toda...
Como tu gostas, ser bem fodida...
Queres o prazer absoluto.
Queres o meu orgamos... e eu quero o teu...
O tesão era enorme...
Vou me esporrar, e agarras no meu pau enrolas a língua à volta da cabeça dele. E esporro-me todo para ti..
Tão bom!

Bem duro

Está-me a dar um tesão!
Metes a mão e começas a massajar um pouco.
Eu cada vez tinha mais vontade de te possuir e continuei com ele de fora.
Tu ao veres ele assim baixaste-te e abocanhaste-o e começas-te a fazer-me um belo broche.
Eu já estava fora de mim aquilo estava-me a deixar louco.
Tinha uma visão deliciosa daquilo que eu mais gosto.
Puxei por ti e acariciei a cona já húmida afinal estávamos já os dois com um tesão enorme.
Depois de a massajar um pouco e sentir a tua respiração já ofegante digo-te senta-te aqui no pau.
Sem dizeres nada sentas-te no meu pau e começas a cavalgar-me.
A vontade de gemer já era muita e a nossa respiração estava muito ofegante
Ia entrando e saindo era só prazer.
Foi depois penetrar de quatro, ali contra a parede...
Uma foda forte como gostas...
Estocadas fortes... e atingiste o orgasmo e eu também já não aguentei muito pois aquela situação toda estava no auge.
Então pedi-te para baixar e vim-me nas tuas mamas como gostas.
E num desafio disse-te agora tens limpar a cabecinha para não deixar vestígios e tu acedeste e o fizeste.

sábado, 28 de março de 2015

Aquele momento

Quero que te aproveites de mim, que uses e abuses.
Quero que não tenhas dó, que faças de mim a tua escrava, a escrava do prazer.
Desejo inovar.
Quero-te beijar, quero-te tocar, quero-te lamber.
Quero-te que me deixes molhada, escorregadia...
E que me invadas as minhas profundezas.
Quero ficar trémula de excitação.
Que me provoques orgasmos, e espasmos em todo o meu corpo.
Levar-me a gritar por prazer, a gritar por ti.
Brinca comigo...
As minhas mamas, a minha cona...
Não deixes de mexer, eu gosto, eu desejo.
Desejo-te a ti, deixas-me louca.
Agarra no teu pau duro, e mete no meu buraco...
Enche-o todo, enche-me a mim e a ti de prazer.
Fode-me!!!!
Enche-me de esporra...
Eu gosto, tu gostas.
Pões-me louca...
Quero tudo...
Preenche-me com ele...
Vai...vai até ao fundo...
Toca bem dentro...
Abre... abre-me toda...
Até ao grito de desespero
De prazer que se liquida... em liquido.
Faz-me  vibrar...

Queima

Vem até mim!
Invadida de prazer...
Chupas o meu membro.
É uma sobremesa...
A tua fome!
Queres algo mais do que um broche...
Essa boca adora a minha carne.
Esses lábios jamais serão saciados pela minha polpa.
O orgasmo da luxúria. 
Gostas da sensação...
Da sobremesa.
Regada de prazer!
O teu corpo com gotas de prazer...
Cheiros de orgasmos, e marcas de intensidades.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Fode-me toda

Ela beijou-me de forma quente e provocante, mamando-me a boca e a língua de forma muito gulosa.
De repente tira-me o pau e começa a beija.
Com a mão massajava-o devagar, enquanto, com os lábios de lado, a boca da Miss Blue Eyes vai subindo de descendo no meu pau teso desde os testículos até à cabeça...
Quando chega à cabeça começa a brincar com ela, primeiro só com os lábios, depois já com a língua, até que de repente mete-a toda na boca, sempre a massajar-me o pau com a mão.
Senti a cabeça de repente toda envolvida por aquela boca quente e molhada, a língua e os lábios a deixar-me a cabeça do pau quase a ferver.
Começou a chupar e a mamar de forma demorada, umas vezes devagar, outras vezes mais depressa, e a fazê-lo com visível prazer sem sentir o meu pau na boca o que ainda me deu mais tesão e prazer.
Sentia os chupões da boca dela, alternados com as lambidelas e a forma como chupava o pau, de cima abaixo.
Já estava louco de prazer e tesão.
Ela fazia-me um broche com gosto e prazer, o que me dava ainda mais prazer.
Miss Blue Eyes gostava, e muito!
Tira a boca do meu pau mas mantendo-o agarrado pela mão, diz-me:
- Adoro mamar!!! Adoro quando sinto um caralho todo teso e duro, na minha boca!!!
Ela olhava-me com um olhar de puta, enquanto a boca chupava o meu pau duro de tesão.
- Queres que me venha nessa boca puta?
Com esse broche tão bom, daqui a pouco ficas com a boca cheia de esporra!!!!
Miss Blue Eyes sorriu...
E...
Tira a boca do meu pau e diz:
- Enche-me a boca de esporra!!! Vem-te todo nesta boca!!! Adoro fazer broche!!!
Não aguentei mais e vim-me todo.
Ao começar a sentir-me a vir, ela começa a chupar-me ainda mais, mamando tudo ao receber o início da minha esporra.
De repente abre a boca e com a mão deixa a cabeça do meu pau mesmo à entrada, de boca aberta, a receber o meu liquido até ao fim enquanto me venho em espasmos de prazer.
Quando acabo, engole, volta a abocanhar-me o pau para o limpar todo.
Disse á Miss Blue Eyes que me dava um tesão do caralho.
Ao ouvir isto, agarrou-me no pau e começou a brincar com ele novamente. Primeiro com a mão, depois com a boca, enquanto eu lhe passava os dedos demoradamente na vagina, fora e dentro, bem devagar, passando nos lábios vaginais, e no clitóris.
Estava toda encharcada do seu próprio liquido.
Já teso novamente, deito-a de lado e digo-lhe ao ouvido:
- Vou-te foder toda! Vou-te abrir toda com este caralho teso.
Os olhos da Miss Blue Eyes reviraram de tesão...
Meto-me por entre as pernas e enfio o meu pau teso na cona.
Comecei a fode-la num ritmo alto, cheio de tesão e a fazê-la gemer alto de prazer.
Depois de a fazer vir, mudei-a de posição e coloco-a de 4.
A visão daquela mulher de 4 na minha frente, aquele rabo apetitoso ali na minha frente, aumentava-me a tesão.
Passei o pau entre as nádegas, à entrada daquele cu maravilhoso, e fui esfregando o meu pau teso, rego abaixo, até chegar à vagina e enfiar-me nela novamente.
Começo num vai-e-vem. Ela gemia e mexia-se quando eu enfiava todo até ao fundo, até as minhas ancas colarem nas dela.
Apertava-lhe as mamas e senti-as duras, enquanto me afundava naquela cona gostosa.
Ao bater naquele rabo bom, dei-lhe palmadas, ao mesmo tempo que me enfiava até ao fundo novamente.
Ela delirava.
De repente, sem tirar de dentro dela, deito-a para baixo, ficando no meio das pernas dela a penetrá-la pela meio das nádegas.
Ela começou a gritar de prazer, cada vez mais alto, e diz:
- Vem-te, fode essa cona toda...Enfia-lhe o caralho até ao fundo!
- Fode-me toda, vá! Quero sentir esse caralho todo dentro de mim!
Continuo o vai-e-vem até que ela grita:
- Vou-me vir, e eu respondo-lhe:
- Vem-te toda para cima do meu caralho! Sente-o a foder-te a cona toda e vem-te toda! Encharca-o todo!!!
Ela vem-se num orgasmo longo, durante o qual nunca parei de foder para prolongar-lhe aquele momento de prazer!
No final, ela disse:
- Que foda que me deste agora!!! Estou de rastos!
- Sexo é bom é assim, demorado, repetido com muita loucura pelo meio!
Miss Blue Eyes levanta-se e colocou-se de 4 à minha frente, olhou para trás com aquele ar de puta cheia de tesão e com vontade de ser fodida novamente..
E disse-me:
- Quero que me fodas o cu! Vem-te no meu cu....quero sentir a tua esporra a escorrer pelo meu cu.
Que tesão, fiquei doido com as provocações!
Comecei a massajar-lhe com o dedo o buraco daquele cu maravilhoso enquanto lhe dizia:
- Que cu tão bom, cheio de vontade de ser bem fodido!
O meu dedo começou a entrar lentamente a abrir-lhe aquele buraco tão apetitoso, ela virou-se e puxou-me agarrando-me pelo pau duro e teso e mamou-o.
- Fode-me devagar...
Lambi-lhe devagar o cuzinho que começava a abrir devagar com o meu dedo.
A seguir, encostei-lhe a cabeça do meu pau teso e fui enfiando-o devagar, primeiro a cabeça, depois o resto, bem devagar e até ao fundo.
Ela ia-se contraindo com um esgar de dor, de início, mas comecei com os dedos a esfregar-lhe o clitoris e os labios vaginais antes de lhe enfiar um dedo na vagina e ela começou a descontrair-se e a relaxar o rabo.
Quando dei por mim já estava todo enfiado naquele cu maravilhoso!
Miss Blue Eyes disse:
- Vai! Estás à espera do quê? Fode-me esse cu! Já me enfiaste esse caralho no meu cu, agora fode-o todo!!! Fode-o...
Fiquei louco de tesão e comecei num vai-e-vem enquanto lhe dava umas palmadas.
Ela estava louca de tesão e só gemia de prazer, com aquela pequena mistura de dor, mas a adorar tudo!
E assim continuei a enrabá-la, ela a gemer alto de prazer, até que lhe disse:
- Vou-me vir! e ela responde:
- Vem-te!!! Esporra-me esse cu todo! Adoro sentir-me esporrada!!!
Comecei a vir-me dentro daquele cu, e ao tirar o pau para fora e esporrar-me por cima para cima nádegas via aquele buraco todo aberto e a deitar esporra para fora.
Ao ver-me a vir, com a mão, agarrou no meu pau e começou a bater uma violenta punheta...
Ia me vir todo, ia ficar sequinho dos colhões, mas só por hoje.
Ficámos todos suados e molhados dos nossos líquidos, do nosso prazer.