Blue Eyes

Blue Eyes

sábado, 9 de maio de 2015

Doce clitóris

Ela virou-se para mim, aproximou-se, o toque era leve, os meus seios ficaram com os bicos rijos, a minha pele arrepiada.
Uma excitação explosiva estava dentro de mim.
Senti o calor da boca dela aproximar-se no meu pescoço, e depois senti um beijo leve.
Arrepiei-me!
Começou a dar-me mais beijos no pescoço, agora já mais intensos. Virei-me para ela, e as nossas bocas aproximaram-se, demos um longo beijo.
O beijo era intenso, como se as nossas bocas combinassem.
Estávamos as duas nuas.
Sentia-me tão quente...
Os nossos seios encostavam-se uns nos outros...
Aquela sensação dava imenso prazer.
Ela desceu a língua pelo meu pescoço, até encontrar as minhas mamas, duras de tanta excitação.
Ficou a lamber, a beijar e a chupar.
Com a outra mão acariciava-me a outra mama, o meu bico teso.
Era delicioso sentir a língua nos meus biquinhos das minhas mamas.
Sentir a boca toda a chupa-los.
Que sensação de prazer!!!
Depois desceu a língua, deslizou pelo meu corpo, e parou no meu clitóris, e ficou a fazer movimentos curtos, passava a língua de leve, de cima para baixo. Depois começou a chupar toda a minha cona, e foi aumentando a intensidade, como se quisesse colocá-la toda na boca dela.
Eu estava cada vez mais excitada, e levantava as ancas, fazia o meu clitóris encontrar ainda mais a boca dela.
Ela enfiou a língua na minha cona, e delirei de prazer.
Depois, com um dedo, começou a meter na minha cona, enquanto a língua continuava a acariciar meu clitóris.
Logo a seguir meteu outro dedo. Comecei a dançar com aqueles dois dedos dela dentro de mim.
Os movimentos eram velozes, até que não resisti e explodi de prazer.
Ela sorriu para mim...
Deitou-se ao meu lado e continuamos a beijar.
Beijei-lhe os seios, demoradamente.
Mamei-os de forma intensa e meiga.
Desci, e ela já estava de pernas abertas, de imediato, encostei a minha boca à cona dela, e lambi, chupei, mamei aquele clitóris doce.
Tão bom, adoro.
Lambia deliciosamente.
O clitóris doce.
Por vezes penetrava com a minha língua, sentia o calor, a humidade daquela cona maravilhosa.
Estava a proporcionar-lhe um enorme prazer.
Começou a suspirar, e a dançar na minha língua, cada vez mais rápido. Deu um grito, e senti o néctar dela a escorrer para a minha boca boca.

Sem comentários:

Enviar um comentário