Blue Eyes

Blue Eyes

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Fazer um minete

Faz-me um minete!
- Aqui?
- Aqui e agora!
- Quero que saibas como eu me sinto.
O Homem que não faz minetes não gosta de mulheres.
Quem não gosta de cheiro a cona não gosta verdadeiramente de uma mulher. Pode gostar de foder, mas não gosta realmente de mulheres.
Um minete, para ser bem feito, requer vontade de quem o faz.
Requer todo esse gosto de ver o prazer estampado em cada linha do rosto de uma mulher.
Fazer uma mulher vir-se na boca de um homem é um acto egoísta.
Faz-se um minete pelo sabor da cona, pelo cheiro da cona e pela dinâmica das contracções e dos fluídos. pela tesão que tudo isso nos dá.
Para o aficionado, o minete é uma coisa em si, um ritual dotado de vida e regras próprias, não sendo substituível nem comparável.
E dá um tesão enorme ao homem.
Dá tanto tesão como um broche excepcionalmente bem feito e poucas coisas se comparam a um broche excepcionalmente bem feito.
Trocarmos algumas carícias, excitando-nos, estava bem quente e húmida, a salivar-se.
Senti o meu membro a crescer.
Um dos encantos do minete é a concentração total no que se está a fazer.
O minete proporciona uma intimidade e cumplicidade extrema com todo um conjunto de centros de prazer da mulher.
Um feedback intenso e pleno.
O homem transforma-se no agente do prazer dela e o prazer dela na fonte de todo o seu próprio prazer.
O minete é feito com muito mais que a língua.
É feito com os lábios, as mãos, os dedos e o corpo todo, com mãos e dedos ágeis e hábeis a percorrer cada centímetro das pernas, das coxas, das nádegas e das ancas, até aos seios.
Não há dois minetes iguais.
O minete é diferente com cada mulher.
Não há duas mulheres cuja cona cheire ao mesmo.
O minete é uma coisa que evolui...
É um jogo em que o prazer ecoa por excelência, um no outro, até se tornar ensurdecedor.
Entre as perfumadas coxas, beijando-lhe as coxas, o monte de vénus e os sedosos lábios, titilando-lhe suavemente o já húmido clítoris com pequenos toques de língua, ora lambendo, ora chupando e apertando.
Penetrar com a língua naquele estreito e doce túnel de prazer, tão fundo quanto possível, num ritmado e lento vaivém.
Sentir o corpo a vibrar e a contorcer-se ao meu encontro à medida que as sucessivas e irreprimíveis ondas dos múltiplos orgasmos se agigantavam dentro dela, do mais fundo do seu ser, até rebentarem nos meus lábios gulosos e sedentos, inundando-me a boca com todos os cálidos e agridoces odores da luxúria feminina satisfeita.
Enquanto se vinha uma e outra vez, apertava-me entre as coxas com inusitada força, ora expandindo-se, ora contraindo-se toda, arfando, gemendo e suspirando disfarçadamente sob o insustentável peso dos incontáveis espasmos convulsivos do seu corpo.
Um alívio do todo o nosso "jogo de prazer".

8 comentários:

  1. ando cá com umas saudades de fazer um bom minete...mmmmh!!

    ResponderEliminar
  2. Fantástico! Muito excitante.
    Aguardo visita de vcs.
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Óptimo ponto de vista e descrição. Imagem pecaminosas e deliciosas... apetece agora...

    Jokitas Femininas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apetece sempre.. é tão bom.. adoro..
      Como eu adoro uma lingua a deixar super descontrolada..
      Bjs Blues

      Eliminar