Blue Eyes

Blue Eyes

sábado, 28 de novembro de 2015

Isto é desejo.

Desejo puro. Queríamos sexo . Queríamos foder.
Não queríamos esperar mais.
Puxei o corpo dela contra o meu, antes dar um beijo, levantei-lhe o vestido e apertei-lhe as nádegas.
Gosto de lhe apertar as nádegas. Ela escorria.
- Sente como estou. Sente o meu tesão.
- Quero-te. Dá-mo.
- Queres?
- Quero. Sabes como estou molhada?
- Sei-o. 
Ela tocou no meu pau por cima das calças. Sentiu a minha carne, queria sentir dentro dela. Bem fundo.
Despi-a da cintura para cima e tirei-lhe o vestido, deixando-a só de meias de liga, fio dental e os sapatos de salto alto.
Feminina.
Despi-me todo.
- Ajoelha-te.
- Agora chupa-me.
Ela de joelhos eu em pé .
- Chupa-me.
E ela obedeceu.
Abriu a boca e engoliu-o até metade, o meu caralho que ela adorava chupar.
Com calma.
- Mais rápido – ordenei.
Tirou-o da boca, segurando-o pela base.
Lambeu a ponta, a língua deslizava pela carne quente, molhando-o com a sua saliva.
Os meus dedos enrolados nos cabelos dela, puxavam para mim, forçava-a a engoli-lo.
Ela continuava a torturar-me.
Até que o enfiou na boca e começou a engoli-lo, centímetro a centímetro.
Alojado quase por inteiro. Sentia a boca dela completamente cheia.
Quase a engasgar-se.
A boca dela cedeu e a língua movimentou-se por baixo da minha carne. Acariciava-o. Deixava-me louco.
Gemia.
Tirou-o da boca e voltou a engolir até sentir de novo a tocar-lhe fundo.
Tirou-o da boca e deixou que a saliva o molhasse inteiro. 
Ela observava o prazer espelhado no meu rosto.
Chupou-o. Rápido. Com ânsia. Como eu queria.
Não parou de o chupar até que sentiu que o orgasmo estava a se aproximar. Deixei-me vir. Teve o meu orgasmo. Sem deixar de o chupar. E lambeu-o. Com suavidade. Até deixar de sentir os meus tremores.
Pura satisfação.
Excitada...
O resto ... ai o resto.. foi fode-la. fode-la toda a noite... deixa-la bem satisfeita.

Quero que te dispas

Hoje apetece-me combinar contigo um encontro...
Quero que vás à frente...
Que entre no quarto. Sem ligares as luzes.
Deixas a porta entreaberta, e quero que te dirijas para um local escuro e fiques virada para a parede.
Quero que te dispas deixando apenas a lingerie que trazes vestida e os sapatos de salto alto.
Que pegues na venda que trazes dentro da mala e coloques à frente dos teus olhos certificando-te que não consegues ver absolutamente nada.
Quero que esperes por mim no escuro.
Sentes a porta a abrir.
Emoção de estares no escuro e não saberes o que te vai acontecer.
Entro...
Uso-te como um " objecto " do meu prazer.
Não te permito que me vejas.
Sirvo-me de ti.
Uso e abuso abruptamente de ti.
Do sabor do teu corpo.
Levo-te ao clímax total..

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Doce abrigo

Ela ali, deitada na cama... nua!
Pura provocação!
Que doce pecado!
Que desejo, que tesão!
Cheguei-me perto, senti o seu cheiro adocicado, cheiro de fêmea!
Que vontade de fazer sexo!
Estava completamente excitado.
Encostei o meu caralho rijo ao lábios dela,
Passei ao de leve na boca!
Que loucura!
Ela gosta que eu seja assim.
Fecho os olhos e sinto a entrar e a sair na boca quente.
Chupava com prazer...
Beijo-lhe o corpo com fúria, chupo as mamas com força.
Adora!!!
Ela contorce-se de desejo na ponta da minha língua.
Eu lambia a parte de dentro das coxas, ela abria mais as pernas...
Aquela cona, linda, quente, lisa, molhada, saborosa.
Cheguei mais perto e passei a língua de leve.
Que delícia!
Estremeceu...
Abro os lábios com os dedos e delicio-me vagarosamente com aquela carne quente.
Devoro-a!
Ouço gemidos...
Até ela ser vir freneticamente na minha boca. 
Sentia o gosto dela.
Implorou para a foder.
- Fode-me querido.
- Enterra-o todo em mim.
Excitada gritava:
- Fode, fode, fode.
Gemia ansiosa.
Vou pra cima dela e meto com força.
Toda molhada...
Gemia bem alto!
Está a adorar! Querer mais! 
Pede para ir mais fundo! 
Não pares!
- Fode forte, fode muito.
E eu simplesmente obedeço. 
- Ahhhhh...
Diz ela a vir-ser mais uma vez naquele entra e sai.
Eu também estava quase a esporrar-me todo.
Não estava a aguentar todo o tesão.
Sentia que a esporra subia, rápida, quente.
Saí de dentro dela.
Esporrei-me em pé, para cima das mamas dela. 
Tremia de tanto prazer.
Completamente exausto.
Abraçou deu-me um longo beijo. Adorou ser fodida.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

O Corpo estremece. Arrepia.

Hoje estou a me sentir muito bem.
Bonita. Gostosa.
Mulher...
Desejada. Cobiçada. Gostosa.
Sedenta..
Descarada. Desaforada. Gulosa.
Fêmea...
Fazia loucuras .... ai ai.
Beijos longos, molhados, profundos, profanos.
Quentes.
Gemo!!!
Os mamilos endurecem.
Sedenta de sexo...
Faminta.
Indecente.
Bendito é o teu membro.
Que preenche os espaços vazios.
Do meu corpo sedento, vadio. Que me penetra com volúpia. Que me esfola a vulva. Que me rega de sémen.
Que me faz só tua.
Quando dentro de mim está.
Tenho o teu corpo. Dentro do meu. O teu vai-e-vem.
A cada estocada.
O meu corpo vibraO prazer é intenso. O teu pau é imenso. Nas minhas entranhas.
Fodes-me inteira!

Muito mais

Tinha afeto, afeição, apego. Tanta estima, ternura e aconchego.
Mas queria mais, queria sexo!!!
Tinha sexo, volúpia, lubricidade. Do prazer sensitivo à diversidade.
Mas queria mais, queria a carne!!!
Tinha a carne, o corpo, a luxúria. A lascívia, a lubricidade, a fúria.
Mas queria mais, queria orgasmos!!!
Tinha orgasmos, muitos, cumes, apogeus. Tantos clímaxes múltiplos, simultâneos.
Mas queria mais, muito mais!!!!!

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

O desejo

Desejo-te. Sim. Tu sabes.
De te tocar. Beijar. Falar. 
Sempre soube do desejo que invade, do calor que me rodeia o corpo quando te imagino.
Da vontade que o meu corpo manifesta quando detalho cada toque, a cada beijo.
Isto é prazer.
É prazer aquilo que o meu corpo te oferece.
É prazer tudo o que quero obter do teu.
Degustar cada pedaço de volúpia que tu me fazes sentir.
Sim, tu. Porque é teu o corpo. É a tua boca. São as tuas mãos. São teus os dedos. É o teu sexo que quero sentir excitado contra o meu corpo.
Vejo o prazer.
Isto é desejo. É luxúria.
É desejo sempre que fecho os olhos e a tua boca percorre o meu corpo.
É desejo quando os teus dedos tocam da forma como tu sabes que mais me excita.
É luxúria sempre que a tua boca me leva ao orgasmo. Uma e outra vez.
É luxúria de cada vez que sinto a penetrar o meu corpo.
Com a língua. Com os meus dedos. Com o teu sexo.
Nas posições mais loucas que nos deixam ofegantes, loucos.
É desejo, gemer quando abres a boca e deixo que a minha gruta descarregue nos teus lábios.
Saboreias o meu gosto.
A excitação do meu corpo, deixas-me molhada, pronta para ter mais um orgasmo naquele momento.
Sabes ter prazer comigo.
É luxúria, chupar-te e sentir-te a gemer.
É luxúria não nos impor quaisquer limites ao prazer. Nenhum. Entre nós não há limites.
Tudo isto é prazer. Luxúria. Volúpia. Desejo.
Entrega total.
Ao êxtase.
Quero-te. Sim. Desejo-te.
Quero a tua boca no meu corpo. Quero as tuas mãos a deslizarem na minha pele. Quero a loucura.
Quero ver os teus olhos repletos de desejo. De luxúria. De vontade.
Quero sentir o teu sexo excitado a invadir o meu corpo, pronto para te ter.
Ter-te. Quero ter-te entre as minhas mãos. Quero gemer no teu ouvido. Quero ter-te a penetrar-me. Fortemente. Docemente. Rápido. Lento. Leve. Profundo. Isto é desejar-te.
Quero que me beijes. Que me fodas. Quero que me chupes a cona.
Quero gritar!!!
Queres que a tua boca me leve ao orgasmo. Não uma, mas mil vezes.
Quero ter prazer.
Isto… é desejo. É luxúria. Sem receios. Sem hesitações. Sem dúvidas. Por ti. 
Haverá dúvidas do que te faço? Do que te dou? Do que me dás? Do que me fazes? Do que quero e do que tu queres?
Haverá dúvidas que adoramos foder loucamente...

Pensamentos selvagens

Estava louca, estava com pensamentos selvagens.
Eu estava toda molhada e ansiosa por foder.
- Querido estou sem cuecas.
Eu sabia o que queria…
Estava cheia de desejo, pronta para foder.
Ele agarrou-me, passou a mão pelas minhas pernas e foi subindo e começou a masturbar-me muito devagar.
A excitação só aumentava, as mamas duras e os bicos espetados.
Eu estava a escorrer e ansiosa por foder.
Coloquei a minha mão nas calças e pude senti-lo endurecer nas minhas mãos, tocando-o e fazendo pressão.
Estava na hora.
Estava pronta para ser bem fodida.
Ele agarrou-me com força.
Chupou os meus bicos com força, deixando-me louca.
Queria aquele caralho dentro de mim naquele momento.
Não podia esperar mais.
Ele penetrou, fodia-me toda, queria mais, mais forte e mais profundo.
Fodíamos loucamente...
Cada vez mais excitados.
Eu vinha-me como uma louca, tinha orgasmos atrás de orgasmos.
Ele esporrou-se todo, respirava em cima das minhas mamas.
Exausto e satisfeito.
E eu super satisfeita…
Senti que a minha humidade voltou.
E o caralho quente estava de novo encostado entre as minhas coxas, nos lábios da cona..
Abrir-me... Entrou todo.
Estava novamente a foder-me toda, de forma selvagem.
Mordia as almofadas a cada orgasmo.
Senti a esporra dele a inundar a minha cona...
Adormecemos com ele metido dentro de mim.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Isto é desejo. É luxúria.

Colocou a mão nas minhas calças, abriu a braguilha e tirou o meu caralho duro para fora.
Limitei-me a apreciar aquelas festas sensuais que tanto me estavam agradar.
- Quero foder contigo! Quero-te foder e quero que me fodas, entendido?!
Entusiasmado, comecei por despir a tanga cuidadosamente mas ela não me deu tempo.
Ela própria puxou-mas para baixo. 
- Deita-te no chão, ordenou.
Obedeci.
A Miss Blue Eyes queria mesmo foder!
Pôs uma perna de cada lado do meu corpo e foi descendo até toda a cona ficar em contacto com a cabeça do meu caralho.
- Gosto de me roçar no teu caralho.
- Vou vir assim, a roçar queres? Diz-me, queres? Queres? Sente o mel a lubrificar o teu caralho, sente fodilhão.
Eu estava simplesmente doido mas deliciado!
Aquela cona sumarenta.
Mas aquele roça-roça estava a excitar-me demais.
- Oh! Gemi!
- Fazes tão bem, isso faz isso, tão bem faz...!
- Gostas? Olha o meu grelo no teu caralho.
- Sim... sim sim sim sim, respondi superexcitado.
- Ah é, gostas. Então vais gostar mais!
Agarrou-me o caralho e apontando-o à entrada da cona.
Ah! Gemeu e enterrou...
- Como é bom sentir a cona preenchida por um caralho como o teu!
Eu estava delirante com os movimentos suaves dela a cavalgar-me.
Miss Blue Eyes aumentou o ritmo dos movimentos para cima e para baixo.
Estava a portar-se como uma puta.
- Fode-me! Instigou-me ela.
- Mexe-te! Sou muito senhora na rua mas muito puta na cama, fode-me, chama-me puta, chama-me a tua puta, fode a tua puta.
- Isso! Fode-me caralho!
Cavalgando-me cada vez mais rápido. Eu estava a sentir um enorme prazer. 
E sabia que não demoraria muito tempo a vir-me. 
- Oh! Gemi já em pleno êxtase.
- Isso! Fode! Vem-te dentro de mim!
- Esporra-me a cona.
As mamas dela estvam bem em frente dos meus olhos, enquanto eu a estocava.
Sentindo uma vontade doida de agarrar aquelas tetas.
Apertei-as, duras e tesudas.
Sentia uma onda enorme de prazer a partir dos colhões.
- Isso! Apalpa-me, fode e aperta-me! Brinca enquanto me fodes com esse teu caralho bom!
Eu estava já completamente doido.
Agarrando com força aquelas mamas, senti uma onda de prazer a subir-me pelo caralho acima.
Venho-me!
- Ohhhh! Vou-me esporrar minha puta.
Gritei, sentindo correntes de líquido a jorrar.
- Vem-te! Vem-te dentro de mim
- Enche-me a cona de leite, fode a tua puta, dá-me leite.
O meu caralho deslizava agora ainda melhor dentro dela, que não parava de gritar:
- Fode-me! Fode-me, que estou quase, também!. Fode-me porra...
Miss Blue Eyes contraia os musculos da cona, vinha-se mas apertava o meu caralho e continuava a foder desalmadamente...


quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Um grelo

Ideias tórridas que me passavam pela minha cabeça e o tesão que avolumava-se.
Apetecia comer “um grelo”.
Leste os meus pensamentos, esticaste a perna e com o pé acariciaste o meu pau rijo.
- “Quero carne, a tua carne”, saíu da tua boca.
Os teus olhos, a tua boca, o teu corpo explodiam de tesão.
Levantamo-nos, caíndo nos braços um do outro para nos roçarmos enquanto as nossas línguas se combatiam entre elas.
Comecei a apalpar-te, percorri o teu corpo. Senti as tuas nádegas.
Virei-te de costas para sentires o meu pau duro no teu rabo. Levei as mãos ás tuas mamas e apertei-as enquanto a minha língua continuava a vasculhar o teu pescoço e as tuas orelhas.
Gemeste…
Sentias o meu pau duro.
Com uma mão a apertar-te as mamas e com a outra fui até à tua rata.
Passei os dedos estavas toda molhada.
Fiz saltar o meu caralho para fora.
Sem tirar os olhos dos meus agarraste-me no caralho e começaste a chupar… Abocanhaste, chupaste, lambeste, beijaste cada centímetro do meu pau.
Não te esqueceste dos tomates.
Fizeste-me gemer de prazer!!!
Controlei-me, agarrei-te no cabelo e puxei-te a cabeça.
Trocámos de posição.
Cheiravas a sexo, estavas toda molhada, encharcada.
Estavas com as mamas tesas, duras, com uns bicos tesos.
Abri-te mais as pernas...
Que cona linda!!!!
Aberta a chamar por mim…
Mergulhei de cabeça.
Dei um beijo no grelo, chupei-o logo de seguida e logo começaste a gemer.
De baixo para cima, passei a língua a todo o comprimento da tua cona. Estremeceste…
Continuei a enfiar a língua na tua rata, a chupar as bordas, a morde-la. Agarraste-me na cabeça com força e esfregavas a cona na minha cara, gemendo e gritando de prazer.
Investia forte no minete fazendo-te gozar na minha boca ao som de gritos que me deu muito prazer.