Blue Eyes

Blue Eyes

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Na Sauna

Abraçou-me e pressionei-me contra ela.
Mil loucuras passavam-me pela cabeça enquanto entravamos na sauna.
Pagamos e descemos as escadas...
Rapidamente as roupas caíram, guardamos nos cacifos e com as tolhas envolvendo os corpos, foi no corredor que a encostei contra a parede, levantou uma perna que apoiou na minha cintura.
Não conseguia esperar mais tempo.
A vontade era incontrolável. As tolhas cairam.
Eu não queria pensar, somente sentir.
Sentiu a minha  boca no pescoço, nas mamas, as mãos que afastaram coxas, a pressão do corpo.
A minha excitação.
O beijo.
E sentiu-o entrar.
O prazer de me sentir dentro dela.
Duro, quente, húmido.
Insistentemente. Profundamente. Os movimentos alucinados, os gemidos. 
Gemia-me ao ouvido e pedia mais...
- Fode-me que estão todos parados a ver.
- Fode-me que quero que vejam que sou tua, que sei foder, que és meu, que fodes bem, que me fodes toda.
- Fode-me Mr Blue Eyes.
Os casais e singles que passavam e deliravam, pois apalpavam-se e beijavam-se.
Nós fodiamos.
O orgasmo veio rápido. Avassalador. 
Não chegou para nos satisfazer.
Pausa.
Corações a bater acelerados. Trocámos um beijo.
- Somos loucos.
- Que bom que o somos.
Pegamos nas toalhas caídas no chão, fomos trocá-las e fomos para o banho turco.
Entrámos e num degrau superior deitei-me e ela deitou-se entre as minhas pernas.
Sentia o meu caralho entre as nádegas.
De repente virou-se e ajoelhou-se entre as minha pernas.
Tocou-me. 
Sentiu a minha rigidez.
Mas era com a boca que ela queria me tocar.
O turco não estava demasiado quente o que era agradável sentir os nossos corpos e orifícios húmidos.
Que sensação extraordinária a boca dela no meu caralho.
Sentiu o caralho a endurecer mais, na mão, nos lábios...
Ela colocou-se de quatro, dava-me acesso ao cu e à cona com muita facilidade. Sentiu a minha boca a explorá-la.
Gemidos profundos saiam da boca dela.
Massajava com prazer. Estava a dar-lhe muito tesão.
Continuou, movimentando a boca, os lábios, a língua.
Agarrei-a pelos cabelos, para que não parasse de chupar, de lamber.
- Pára, que não aguento mais, se continuas, eu venho-me.
- Eu quero que te venhas. Agora e aqui, gritou!
O meu grito entoou pelas paredes. Comecei a esporrar-me.
Recebeu os jactos. Deitou-se enquanto me vinha nas mamas.
A minha boca encontrou novamente a cona deliciosamente húmida e rapada a ter um orgasmo na minha boca.
Não parava de lhe lamber-lhe a cona e o cu.
Delicioso.
Saímos... E fomos ao duche.
Umas palavras, uns sorrisos e...
Entramos num quarto para relaxar e fechamos a porta.
Luz muito suave, quase apagada, boa temperatura, corpos desnudados.
Senti a boca que habilmente colocava o meu pau novamente naquela boca delicosa.
Os peitos macios desciam para a minha boca, e uma cona quente envolvia o meu caralho.
- Ahhh.
Aquele ahhhh dela de prazer, um ah tesudo.
Sentia o meu caralho entrar na cona, pronta para uma louca foda, profunda, potente mas saborosa.

2 comentários:

  1. Sauna já é um lugar quente que desperta desejos. Com esse relato, mais ainda.
    Abçs

    http://odiariodaescrava.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos desejos e fantasias...
      digamos que é só calorrrr.... rssss.
      Bjs Blues

      Eliminar