Blue Eyes

Blue Eyes

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Possuída

Numa noite, sozinhos os dois num restaurante, à luz das velas, música ambiente, um programa pensado ao pormenor!
A Miss Blue Eyes tinha-se aprumado, vestido preto curto e justinho ao rabo, sem soutien que com aquele friozinho que se fazia sentir, despertava os bicos das mamas que levemente espetavam-se no vestido.
Nnão resisti a beijá-la apaixonadamente e a meter a mão por dentro do vestido e sentir as mamas com aqueles biquinhos durinhos.
Ela sem hesitação apalpou-me a piça, que ao sentir tão macia massagem começou logo a crescer.
Meti a outra mão por debaixo do vestido e introduzi o dedo na cona, ficando logo molhadinho.
Estávamos a ficar muito tesos, resolvemos ir o mais depressa possível para o restaurante porque senão… Sentamo-nos e ficamos á espera do empregado que logo apareceu colocando duas jarras, uma de agua e outra de sumo na mesa com os cumprimentos da casa.
Pedimos a comida e ali ficamos a provocarmo-nos, roçava o pé na perna dela, chupando a fruta como se de um grelo tratasse, eu sei lá…
Pensei comigo, que foda te dava aqui, logo a minha piça deu sinal.
Começamos a comer...
A Miss Blue Eyes por debaixo da mesa começou a passar a mão na minha piça e ver como ela estava a ficar dura.
Então com grande descontracção meteu o dedo dela na cona e disse-me:
– Estou a escorrer, com fome dessa tua piça.
Por volta da meia-noite, acabamos o jantar.
Pagamos, saímos e mal ela entrou no meu carro, puxou o vestido todo para cima e ficou com aquela coninha á mostra.
– Gostas? Perguntou.
– Já viste o grelo? Diz ela.
E começa ali a massajar a cona e o grelo enquanto eu a todo custo conduzia. A minha piça estalava dentro das calças.
Ela notou e com a outra mão abriu-me a braguilha, acariciando a piça.
Foi acariciando a piça para baixo e para cima, e de repente tirou-o para fora ficando a cabeça de fora que brilhava de tanto tesão.
Ela tirou o cinto de segurança e meteu o pau todo na boca, chupando-o, primeiro levemente e depois com violência mordiscado-lhe a cabeça, enquanto massajava o grelo.
Ali estava no esplendor de tesão, enorme, duro e macio ao mesmo tempo. E eu sem poder fazer nada.
A Miss Blue Eyes chupava com muita vontade, que me esporrei logo.
Tirei o vestido dela e senti os bicos das mamas duros espetados nas minhas mãos.
Olhei para a Miss Blue Eyes, e comecei a chupava-lhe as mamas enquanto lhe metia o dedo na cona, o que a fazia gemer .
Deitei-a miúda e comecei a fazer-lhe um minete.
A cona cheirava a tesão, e quanto mais eu a chupava mais ela ficava molhada e passado algum tempo senti-a gritar entre dentes enquanto com as mãos me apertava a língua contra o grelo, gemendo.
- Eu venho-me caralho! Eu venho-me, eu venho-me… Senti-lhe o corpo em convulsões e a escorrer pela cona abaixo até ao cuzinho.
Meu deus que bom!!!
Então virou-me as costas e pôs aquele cuzinho arrebitado. Que visão, uma cona rapadinha, um grelo inchado de tesão.
Sorriu-me e disse-me:
- Fode-me anda…
Peguei na piça meti-lha na cona e ela mais uma vez gemeu quando sentiu o meu caralho a entrar pela cona.
Ela tornou a pedir:
- Fode-me, mete-me essa piça toda na minha cona.
E assim fiz, ela gemeia e pedia:
- Mete…mete…
E eu continuei a meter.
Que teão.
Diz ela:
- Fode-me mais depressa, mais depressa.
E eu a dizer-lhe:
- Vou –me vir, eu esporro-me…
- Não, ainda não, diz ela.
Não durou muito, ela foi pedindo:
- Mete a piça dizia, mete, que eu venho-me contigo, e assim foi enquanto eu metia e tirava piça e ela massajava o grelo a gemer.
- Foda-se que eu venho-me…
- Fode-me que vou-me vir, mete-o bem fundo…
A minha piça estava quase a estourar, e senti a esporra a subir, esporrei-me todo naquele cona apertadinha.

Sem comentários:

Enviar um comentário