Blue Eyes

Blue Eyes

terça-feira, 14 de junho de 2016

Quero-te dentro de mim!

Beijamo-nos intensamente...
Sentia o peito dela contra o meu, os bicos duros esmagados no meu peito.
As minhas mãos passavam naquele corpo, enquanto o caralho bem encostado na frente estava por ela a ser entalado entre as coxas e nas bordinhas dos lábios da cona húmida.
- Quero-te dentro de mim! Fode-me...
- Não aguento mais este desejo.
O meu caralho latejante sentia o calor daquela cona desejosa.
Agarrando-me o pau afastou-se um pouco ajoelhou-se e começou num broche divinal.
Lambeu-me da base á ponta.
Abocanhou-o todo, o que me fez delirar.
Pôs-se de pé e voltou-se de costas para mim, apoiando as mãos na parede, abrindo as pernas e nádegas e empinando ligeiramente o rabo para cima.
Soberba a visão. Enorme a tesão. Delirante a posição.
Exibia-me agora uma cona aberta...
Os lábios da cona estavam visivelmente inchados, gelatinosos e rosados.
- Anda fode-me toda, fode-me...
Bastou encostar a cabeça do bacamarte para começar a mexer as ancas e a roçar-se para a frente e para trás.
O calor daquela cona apertada fazia-me ficar ainda mais louco de tesão, com vontade de fode-la toda sem parar.
Começou um vai e vem ritmado...
As minhas mãos percorriam as coxas, nádegas, onde de uma palmadas de vez em quando se faziam ouvir.
Subiam até as mamas e apertava.
- Fode-me, fode-me.
Aqueles bicos tesos que apertava-os suavemente, gemeu.
- Sinto-me tão puta.
- És tão bom a foder, fode querido.
- Fode-me, chama-me cadela, sou a tua putinha, fode-me.
- Estou tão excitada, dá-me, força, fode, fode. Enterra esse caralho todo em miiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiim.
Aumentei o ritmo dos movimentos e a força aplicada a cada movimento.
O som das nádegas a bater em mim era agora mais sonoro e ela gemia de prazer.
Estivemos assim não sei quanto tempo, fazendo-a ter orgasmos multiplos, até que foi impossível aguentar mais.
-Aiii..... Tão bom..... Anda.... Vem..... Diz.....Fode-me.
- Anda putinha sente nessa coninha, vou-me esporrar todo dentro de ti!
- Enche-me a cona de leite, anda. Isso, fode, fode, mais isso aahhhhhhhhh, estou a me vir outra vezzzzzzzzzzzzz.....
Agarrei-a pela cintura e bombei naquela cona inchada, fodi-a toda e esporrei-me num orgasmo longo.
Fiquei dentro dela uns momentos, enquanto recuperavamos o fôlego, e sentia-a a escorrer.
Que delicia de foda.

Sem comentários:

Enviar um comentário